Saúde e bem-estar
25
Jan

A CONEXÃO DA AUTOESTIMA COM O ESPORTE.

Avalie este item
(0 votos)

A capacidade mental de cada atleta é que vai poder lhe proporcionar a realização de suas metas de modo efetivo. À medida que se concretiza o trabalho para aumentar esta capacidade mental, consequentemente, são reforçados fatores psicológicos que exercem influência significativa em importantes características pessoais, como autoestima e valores morais.

Em estudo realizado com especialistas em Psicologia do Esporte (GOULD, TAMMEN, MURPHY & MAY *, 1989, citado por GOULD & DAMARJIAN, 2000), sobre os tópicos mais utilizados por eles em consultórios, relacionados ao desempenho e os não relacionados ao desempenho, tanto em consultas individuais como em grupo, ficou com o tópico autoestima a maior nota, referindo-se aos não relacionados ao desempenho. Portanto, para eles a autoestima tem sua importância, porém não é relacionada diretamente ao desempenho.

 Juntamente com o lar e os meios ambientes próximos, o mundo do esporte competitivo pode ser uma importante incubadora para produzir atletas inseguros que desenvolvem uma necessidade em defender a autoestima deles, conforme STEVE BERGLAS*, Psicólogo da Escola Médica de Harvard. (citado por CLARKSON, 1999). Quando o indivíduo tem um foco específico de competição vindo de uma infância prematura, ele está incrivelmente dependente daquela competição, isto pode vir a ser tudo e o fim de tudo na autoestima de um homem.

 A autoestima, assim como os outros aspectos psicológicos terá sua particularidade em cada desportista. É possível observar que a pressão existente no ambiente esportivo vai ter como reflexo em cada participante uma variação de autoestima positiva e negativa ou até mesmo sua ausência. Mesmo que o atleta apresente autoestima negativa, se ela tiver utilidade para sua produtividade ele a manterá. Da mesma forma, essa pressão poderá servir como um estímulo para o reforço de uma autoestima positiva.

Numa situação competitiva a exposição de um atleta é evidente, e se ele apresenta uma baixa autoestima estará muito vulnerável ao julgamento dos outros, incluindo-se entre eles torcida, técnico, companheiros de equipe e imprensa. Muitas vezes o atleta opta em função disto, não perder, ou seja, não se arrisca muito para não ser inadequado, ao invés de investir para vencer e ser o melhor, até mesmo porque não acredita em seu talento e capacidade.

Teóricos consideram que geralmente a autoestima é influenciada e formulada por “feedback” vindo do meio ambiente, e o aumento da autoestima é normalmente considerado como um processo que requer assimilação de “feedback” positivo, sucesso ou senso de competência elevado. 

Atletas do CrossFit Viçosa:

@pedropbmartins

@jeff.olliver

@tulioar