Notícias
Itens filtrados por data: Agosto 2017
Segunda, 28 Agosto 2017 13:20

VOCÊ PRECISA CONHECER MELHOR A ACUPUNTURA!

A acupuntura é uma terapia milenar originária da China, que consiste na aplicação de agulhas em pontos específicos do corpo para tratar doenças e para promover saúde. Estas agulhas, quando aplicadas sobre algumas regiões específicas são capazes de tratar diversas doenças físicas ou emocionais como sinusite, asma, enxaqueca ou artrite por exemplo, além de melhorar o sistema imunitário.

A inserção das agulhas de Acupuntura estimula as terminações nervosas existentes na pele e nos outros tecidos, enviando desta forma mensagens até ao cérebro, o que desencadeia diferentes efeitos no corpo, como ação analgésica ou anti-inflamatória, por exemplo. Existem diversas comprovações científicas de que a acupuntura funciona mesmo, porém no Brasil ela só deve ser utilizada como forma para complementar o tratamento clínico orientado pelo médico.

Para que serve

A acupuntura é uma técnica que pode ser usada para reforçar o sistema imunológico e para o tratamento de problemas e doenças como por exemplo:

  • Problemas na boca como dor após extração de dente, gengivite ou faringite;
  • Doenças respiratórias como sinusite, rinite, resfriado comum, asma ou bronquite;
  • Doenças oftalmológicas como conjuntivite, catarata ou miopia em crianças;
  • Problemas neurológicos como dor de cabeça ou enxaqueca;
  • Problemas gastrointestinais como excesso de acidez no estômago, úlcera duodenal, prisão de ventre ou diarreia;
  • Problemas ortopédicos como dor ciática, lombalgia ou artrite reumatoide;
  • Distúrbios de sono como insônia.

Além destes problemas, a acupuntura pode também ser utilizada no tratamento de doenças e distúrbios emocionais como ansiedade, excesso de estresse ou depressão, por exemplo. 

Qualquer pessoa pode fazer acupuntura, mesmo nos casos onde não existe doença ou queixas físicas, e esta técnica pode inclusive ser feita em crianças, sendo nestes casos recomendada a utilização de laser em crianças com medo de agulhas.

As agulhas podem transmitir doenças?

A acupuntura deve ser feita com agulhas descartáveis, pois a sua reutilização aumenta as chances de contrair algumas doenças como hepatite ou meningite, por exemplo.

Por isso, quando for realizar um procedimento de acupuntura deve assegurar de que esta é feita por um profissional competente, e que segue as normas da Anvisa que obriga à utilização de material descartável.

Tipos de Acupuntura

Existem diversos tipos de acupuntura, e cada uma apresenta uma função diferente:

1. Acupuntura auricular

A acupuntura auricular, também conhecida como auriculoterapia, pode ser usada para tratar dores, doenças físicas ou emocionais e pode ser realizada com ou sem agulhas. Esta técnica é feita nas orelhas, e quando não são utilizadas agulhas, podem ser usadas sementes de mostarda ou outras pequenas esferas que são colocadas em determinados pontos da orelha.

2. Acupuntura estética

No caso da acupuntura estética, esta técnica visa a aplicação de agulhas em determinados pontos do corpo para melhorar a circulação sanguínea, promover o crescimento das células de sustentação, combater a gordura localizada e ajudar a drenar os líquidos em excesso.

3. Acupuntura para emagrecer

Quando a acupuntura é usada para emagrecer, ela ajuda na eliminação de toxinas, líquidos em excesso e gorduras localizadas. Além disso, como o excesso de peso pode estar associado a problemas psicológicos como ansiedade ou depressão, esta técnica também pode ser usada no tratamento destes problemas, de forma a que a alimentação deixe de ser um refúgio emocional.

Quem pode realizar tratamentos?

Qualquer pessoa pode fazer acupuntura, estando doente ou não. Ela é indicada inclusive para crianças, mas no caso delas a acupuntura pode ser feita com laser, para que a criança não tenha medo das agulhas. Além disso, a acupuntura também pode ser benéfica durante a gravidez, pois ajuda na diminuição das variações hormonais, que são frequentes durante este período e alivia as dores nas costas e o desconforto causado pelo peso da barriga. Conheça os benefícios da acupuntura durante este período em Acupuntura na Gravidez

Animais como cães ou gatos também podem ser tratados com acupuntura, pois ela alivia dores, alergias, infecções nas vias respiratórias, problemas digestivos ou outras doenças, como rinite, por exemplo. 

Além da acupuntura, existem outras técnicas da medicina alternativa como a Acupressão, que tratam problemas e aliviam a dor. 

Gostou? Então consulte em nosso Guia Médico a especialidade Acupuntura e confira os profissionais indicados para este tipo de tratamento! 

PLAMHUV - Saúde é o mais importante
(31) 3891-1800 - www.plamhuv.com.br

Publicado em Saúde e bem-estar

Nos dias quentes, sempre nos preocupamos em tomar bastante água e outros líquidos saudáveis para nos mantermos bem hidratados. Porém, esquecemos que no inverno devemos ter a mesma preocupação com a quantidade de água em nosso corpo. Sentimos menos sede em dias frios, e isso pode aumentar os riscos de desidratação – mesmo suando menos – em comparação com o verão. A constatação é de Robert Kenefick, fisiologista do Instituto de Medicina Ambiental das Forças Armadas dos EUA, que em um estudo comprova que a desidratação no inverno pode ser mais grave.

Segundo ele, em dias frios o hormônio que causa a sensação de sede, o ADH ou antidiurético, reage de forma diferente, causando menos sede e fazendo-nos beber menos água. “Sente-se menos sede quando se está exposto ao frio, algo como 4°C, que quando se está exposto à temperaturas de cerca de 22°C. E mais, mesmo quando as pessoas já perderam 4% do seu peso em água, elas não sentem tanta sede assim. Em uma situação normal, isso as faria sentir muita sede”, alega o pesquisador.

O corpo no frio age como se estivesse dentro de uma piscina: o organismo concentra a circulação sanguínea nos vasos centrais, o que faz parecer que o corpo está cheio de água e bem hidratado. Na piscina, isso é causado pela pressão da água, que empurra a concentração para os vasos centrais. Já em dias frios, o corpo reage dessa forma ao contrair os vasos para baixar a temperatura da pele e preservar o calor do corpo. Assim, a ação do ADH é afetada, não avisando ao corpo que ele precisa sim de mais água.

Há outro fator dos dias frios que afetam a ingestão normal de água: o consumo de alimentos e bebidas quentes. Pois é, o que usamos para esquentar o corpo influi na sua hidratação. O nosso organismo ingere voluntariamente líquidos que estão a uma temperatura de 4°C a 10°C. Quando o líquido é quente, o corpo consome menos, justamente por causa do seu calor – sempre bebemos devagar chás e outras bebidas quentes para não queimar a língua, lembram? Alguns ingredientes dessas bebidas quentes, como a canela, ainda auxiliam na desidratação.

Mesmo assim, para aqueles que praticam atividades físicas nos dias frios a ingestão de água não precisa ser necessariamente maior. De qualquer maneira, o corpo sua menos e perde menos líquido durante o inverno, e uma leve desidratação pode ser mais tolerada do que nos dias de calor. Mas é preciso dar atenção igual para a hidratação tanto no inverno quanto no verão, e a ingestão de água pode chegar a até 8 litros diários para quem exige muito de seu condicionamento físico.

Você sabe quais são os sintomas da desidratação?

A sede, na verdade, já é um alerta do corpo que indica desidratação, segundo a nutricionista Lenycia Neri, do Hospital das Clínicas. Mas como nos dias frios nossa sensação de sede está afetada, há ainda outros sintomas que indicam se temos a quantidade ideal de água no corpo ou não. Quando desidratados, sentimos dor de cabeça, boca seca, sonolência, e ainda mostramos irritabilidade, problemas na pele, intestino preguiçoso, febre e ausência de suor em casos mais graves.

Além disso, observar a cor da urina também ajuda a diagnosticar a desidratação: quanto mais transparente ela for, mais hidratado você está, alega a nutricionista.

Publicado em Saúde e bem-estar

Você alguma vez parou para pensar no quanto esse assunto é sério? As consequências a longo prazo de uma postura inadequada pode ser muito desconfortável e afetar a sua qualidade de vida. Na maioria dos casos, as pessoas tem consciência de que não está fazendo da maneira correta, mas mesmo assim, passam horas utilizando o celular, sentado em uma cadeira desconfortável com o notebook sob as pernas, trabalhando o dia todo com as costas curvadas sob a mesa, enfim, são infinitas as situações em que a má postura está presente. Se você já sabia disso e quer ter mais alguns motivos para mudar seu comportamento e ter um futuro saudável, continue lendo ...

Devemos nos conscientizar para mantermos sempre uma postura correta. Quando nos sentarmos, apoiaremos os pés no chão e evitaremos cruzar as pernas para não atrapalhar a circulação.

A postura do corpo não é importante apenas para a aparência física, mas também desempenha um papel muito importante na saúde, já que uma má postura pode causar transtornos físicos graves que, por não receberem a nossa atenção, podem afetar nossa qualidade de vida.

Todos os dias nosso corpo precisa adotar posições diferentes para cada movimento e atividade, por isso é preciso aprender a melhorar a postura para não sofrer lesões, doenças ou contraturas.

Como outros hábitos de nossa vida, a postura ocupa um lugar fundamental para a saúde; manter uma postura inapropriada pode afetar diferentes partes do corpo que, ainda que não acusem problemas de imediato, a médio e longo prazo podem se pronunciar por meio de diferentes doenças.

Considerando que muitos não são conscientes do quão importante é adotar uma boa postura todos os dias, a seguir compartilharemos as graves consequências de não fazê-lo de forma correta. Confira.

Dor lombar

Apresenta-se quase sempre quando a pessoa fica muito tempo sentado, com as costas curvadas, ou quando fica muito tempo de pé com a cintura “quebrada”.

Também pode aparecer depois de carregar algo muito pesado, o que causa pressões em vários pontos do corpo. Em geral essa dor pode se estender até os glúteos e, em outros casos, até as pernas.

Incômodos na região central das costas

Estes incômodos são comuns quando a pessoa se senta com uma curva dorsal exagerada, com os ombros muito para frente ou, quando estão de pé, puxando a barriga.

Quase sempre se manifesta com pontadas na parte central das costas e também é comum quando a pessoa permanece parada por muito tempo.

Dor no pescoço e no trapézio

Acontece quando há um apoio excessivo sobre as articulações das últimas vértebras cervicais, em geral quando a pessoa fica olhando para frente por um longo tempo.

Também está relacionada a contraturas quando ocorre uma tensão forte na nuca. As contraturas são um problema que surge depois de realizarmos uma atividade de forma inapropriada em intensidade ou função, e também pode ser uma resposta decorrente do estresse.

Barriga saliente

Esteticamente, a má postura pode fazer com que os músculos abdominais se soltem e, dessa forma, originem o que a maioria conhece como “pança” ou “barriga”.

Isso, em geral, acontece quando se adota uma postura corporal onde a coluna vertebral fica curvada.

Maior risco de lesões

Manter uma postura ruim com cada movimento do corpo aumenta o risco de sofrermos lesões em diferentes partes, já que ao adotarmos uma postura errada o peso do corpo se distribui mal e pode nos prejudicar.

Como adotar uma postura corporal correta?

Considerando os riscos de uma má postura, é muito importante aprender a manter uma postura adequada em todo momento e em qualquer lugar.

Para quem tem dúvidas a respeito da postura que mantém, a seguir compartilhamos algumas recomendações chave:

Quando estiver sentado: As costas devem estar erguidas, o ombro para trás e para baixo, e a planta dos pés apoiada no chão. Deve-se evitar o hábito de cruzar as pernas, já que isso pode alterar a circulação e dar origem a inchaços nas pernas, deixá-las mais cansadas e com varizes.

Quando estiver em pé: O peito para cima e o abdômen para dentro, já que os músculos abdominais são os que ajudam a estabilizar o corpo. Os joelhos semi-flexionados e se assegurado sempre de que o peso do corpo fique bem dividido entre ambas as pernas.

Ao andar: Manter a cabeça ereta e o pescoço erguido e evitar olhar para o chão, já que isso pode causar uma dor cervical severa. A forma de pisar também influencia, visto que a forma correta de fazer isso é, primeiro, com a parte de trás do pé e depois com a ponta.

Ao correr: Os cotovelos devem estar flexionados em um ângulo reto para que o movimento dos braços concorde com as pernas. Deve-se evitar receber o impacto ao pisar sobre o calcanhar, já que isso pode causar lesões.

Ao dormir: A melhor forma para dormir e evitar doenças é de lado e com as pernas encolhidas, já que é a melhor forma de manter a coluna vertebral em uma posição adequada.

Essa postura não ajuda apenas a dormir melhor, como também contribui para reduzir os roncos.

Publicado em Saúde e bem-estar

Hábitos e atitudes do dia a dia fazem toda a diferença na disposição, tanto para as atividades cotidianas quanto para praticar exercícios físicos. E estes hábitos vão muito além das horas de sono, quantidade e ritmo de trabalho de cada pessoa - a sua postura, opção de sobremesa ou lanche da tarde e até aquele "inocente" cafezinho num momento de intervalo do trabalho podem estar sugando as suas energias. Também é importante saber ler os sinais que o seu corpo dá de que algo não está funcionando corretamente ou está demandando muita energia.

Confira os 8 hábitos que podem estar "sugando" a sua energia:

1- Comer muito açúcar

2- Pular o café da manhã

3- Ingerir muita cafeína

4- Passar muito tempo sentado

5- Má postura

6- Falta de exercício

7- Desidratação

8- Fazer escolhas ruins para o lanche da tarde

Aposte nos hábitos que te dão mais disposição!!

PLAMHUV - Saúde é o mais importante
(31) 3891-1800www.plamhuv.com.br

 

Publicado em Saúde e bem-estar
Terça, 15 Agosto 2017 12:32

VOCÊ CAMINHA CORRETAMENTE? DESCUBRA.

Caminhar faz bem, é um exercício de baixo impacto e que melhora o humor, inclusive há registros de alívio da depressão. Além disso, estudos têm mostrado que nos países em que a caminhar é comum, os índices de obesidade são menores do que nos que as pessoas dependem de carros para se locomover. Ou seja, andar pode te deixar mais feliz e saudável.

Confira quais são as formas certas de caminhar e descubra se você realmente sabe fazer uma boa caminhada:

1 - Mantenha a coluna reta e a postura ereta quando estiver caminhando. Mantenha a cabeça levantada e o seu queixo levantado também.

2 - Use suas panturrilhas, tendões isquiotibiais e quadríceps para andar de forma eficiente. Quando estiver andando, visualize que está empurrando com o pé de trás, usando os tendões isquiotibiais e quadríceps e se impulsionando para frente sobre o calcanhar de seu outro pé.

3- Mantenha os ombros para trás, mas relaxados, abrindo o peito. Mesmo que a maioria dos músculos usados esteja nas pernas e parte central do corpo, preste atenção na postura da parte superior do seu corpo.

4- Movimente os braços enquanto estiver caminhando, deixe-os naturalmente relaxados ao seu lado.

5- Comece em um ritmo de aquecimento mais lento. Nos primeiros minutos de sua caminhada, mantenha um ritmo confortável enquanto seu corpo se aquece. Supondo que 100% represente o mais rápido que você consegue andar sem começar a correr, tente começar em um nível de 50 a 60% desse esforço máximo. Como regra geral, você deve ser capaz de falar normalmente e manter uma conversa sem perder o fôlego durante o aquecimento.

6- Aumente a velocidade de caminhada para moderada após o aquecimento. Quando você se sentir confortável, entre no ritmo de cerca de 70 a 80% de sua velocidade máxima. Na intensidade moderada, você deve, eventualmente, começar a respirar com dificuldade, mas não ofegar. Você ainda deve ser capaz de manter uma conversa, mas não necessariamente conseguir fazer isso com extrema facilidade.

Para melhorar sua saúde cardiovascular, faça aquecimento e mantenha esse ritmo por pelo menos 30 minutos cinco vezes por semana. Estudos têm demonstrado que quebrar essa sessão de 30 minutos em várias etapas ao longo do dia é igualmente eficaz, contanto que a pessoa passe essa quantidade de tempo caminhando no total.

7- Relaxe no final da caminhada. Depois de ter caminhado mais rápido durante 30 minutos (ou mais), diminua para voltar à velocidade de aquecimento. Passe de 5 a 15 minutos caminhando nesse ritmo mais lento. Uma sessão de relaxamento no final de uma caminhada de alta intensidade permite o retorno gradual, e não abrupto, a sua frequência cardíaca de repouso. Além disso, a sensação é ótima.

8 - Use tênis confortáveis e roupas adequadas para a caminhada. Se você for começar um programa de exercícios de caminhada diária, considere compre um par de tênis confortável próprio para isso, se você ainda não tiver. Eles podem fazer maravilhas pelo seu desempenho, melhorando sua passada e permitindo que você ande por mais tempo confortavelmente. Escolha um modelo que proporcione boa estabilidade para ajudar a manter seus pés em linha reta e que tenha amortecimento para proteger o calcanhar quando você pisa e suporte para o tornozelo para evitar lesões. Quanto as roupas, geralmente uma camiseta de algodão simples pode ajudar a manter o conforto absorvendo o suor. As calças não podem atrapalhar suas passadas também. 

9- Escolha um percurso com o nível de dificuldade que você deseja. Onde você caminha pode ter tanto efeito sobre os benefícios gerados pelo exercício quanto a sua velocidade. No início pode ser interessante escolher um terreno mais plano, mas quando sua confiança aumentar você pode se desafiar e escolher trilhas mais difíceis ou mais longas.

10- Comece a caminhar como uma forma de lazer. Como mencionado acima, é inteligente caminhar para chegar onde precisa, mas você não precisa de um motivo para andar, apenas faça isso quando sentir vontade.

E ai? Bora caminhar agora?

PLAMHUV - Saúde é o mais importante
(31) 3891-1800 - www.plamhuv.com.br

Publicado em Saúde e bem-estar
Sexta, 11 Agosto 2017 15:25

CURIOSIDADES SOBRE O CROSSFIT

O QUE É O CROSSFIT?

O CrossFit é um conjunto de programas de treinamento físico que se baseia em diversos movimentos funcionais, todos eles realizados em alta intensidade e variados. Esses movimentos, normalmente, estão ligados a três tipos de modalidades: levantamento de peso olímpico, ginástica olímpica e condicionamento metabólico, ou também cardio.

CROSSFIT É PERIGOSO?

Crossfit é perigoso. Mas só se você estiver indisposto a aprender. Crossfit é tão perigoso quanto qualquer outro esporte onde você não está devidamente treinado. Eu entendo que a complexidade dos levantamentos de Crossfit não se pode comparar com o arremesso de um lance livre, mas em última análise, cabe ao atleta aperfeiçoar seus movimentos antes de subir de peso.

COMO É O TREINO?

Normalmente, os treinos de Crossfit são realizados em ambientes abertos. Cada sessão dura, em média, 60 minutos e deve ser acompanhada por um instrutor capacitado. 

A TERMINOLOGIA CROSSFIT É MUITO COMPLICADA?

Os treinadores vão repetir a terminologia e demonstrar os movimentos tantas vezes quanto necessários, fixando em sua cabeça todos os nomes. Portanto, não surte e vá para sua aula básica sem conhecimento do Crossfit, pois o objetivo destas primeiras aulas é justamente te explicar um pouco mais do funcionamento do Crossfit.

CROSSFIT E A DIETA PALEO SEMPRE CAMINHAM JUNTOS?

PALEO é popular na comunidade Crossfit, e se você está procurando uma dieta para acomodar o seu plano de musculação, dê uma chance. Mas você não está obrigado a começar uma dieta PALEO porque você começou o Crossfit. Se a sua dieta está funcionando para você, mantenha-a do jeito que está.

VOCÊ TEM QUE CONTINUAR ADICIONANDO PESO NO CROSSFIT?

Crossfit vai fazer você mais forte, mas você não tem que adicionar peso se você não quer. Se você está tentando manter certo corpo e ainda está recebendo um bom treino, não há motivo para assustar-se que você tem que ir mais pesado. Vou acrescentar que você provavelmente vai querer ir mais pesado, porém, porque você vai notar que a sua força está melhorando.

CROSSFIT É UM ESPORTE?

O Crossfit é considerado o esporte do fitness – o método tenta promover a camaradagem natural, competição saudável e a diversão do esporte, ao manter tempos, marcações e definir regras e padrões de desempenho.

 -

O Plamhuv está patrocinando os atletas do Box CrossFit Viçosa!

Acesse nossas redes sociais e conheça o melhor do CrossFit! 

Instagram:

@fundacaoplamhuv

@crossfitvicosa

Atletas: Kamilla, Pedro, Túlio, Motta, Jeferson

Publicado em Noticias
Segunda, 07 Agosto 2017 13:55

9 FATOS SOBRE A LEI MARIA DA PENHA!

Confira abaixo 9 fatos importantes sobre a lei Maria da Penha que você precisa saber:

Maria da Penha é uma pessoa real e quase foi assassinada

A história da farmacêutica bioquímica Maria da Penha Maia Fernandes deu nome para a Lei nº 11.340/2006 porque ela foi vítima de violência doméstica durante 23 anos.

Em 1983, o marido tentou assassiná-la por duas vezes. Na primeira vez, com um tiro de arma de fogo, deixando Maria da Penha paraplégica. Na segunda, ele tentou matá-la por eletrocussão e afogamento.

Após essa tentativa de homicídio, a farmacêutica tomou coragem e o denunciou. O marido de Maria da Penha foi punido somente após 19 anos.

Lei diminuiu em 10% os assassinatos contra mulheres

Segundo dados de 2015 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a lei Maria da Penha contribuiu para uma diminuição de cerca de 10% na taxa de homicídios contra mulheres praticados dentro das residência das vítimas.

Reconhecida pela ONU

A lei Maria da Penha é reconhecida pela ONU como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres.

98% da população conhece a legislação

Apenas 2% das pessoas no País nunca ouviram falar da lei Maria da Penha, segundo a pesquisa Violência e Assassinatos de Mulheres (Data Popular/Instituto Patrícia Galvão, 2013). Para 86% dos entrevistados, as mulheres passaram a denunciar mais os casos de violência.

Também pode valer para casais de mulheres e transexuais

A aplicação da lei Maria da Penha garante o mesmo atendimento para mulheres que estejam em relacionamento com outras mulheres. Além disso, recentemente, o Tribunal de Justiça de São Paulo garantiu a aplicação da lei para transexuais que se identificam como mulheres em sua identidade de gênero.

Lei vai além dá violência física

Muitas pessoas conhecem a lei Maria da Penha pelos casos de agressão física. Mas a lei vai além e identifica também como casos de violência doméstica:

- Sofrimento psicológico, como o isolamento da mulher, o constrangimento, a vigilância constante e o insulto;

- Violência sexual, como manter uma relação sexual não desejada por meio da força, forçar o casamento ou impedir que a mulher use de métodos contraceptivos;

- Violência patrimonial, entendido como a destruição ou subtração dos seus bens, recursos econômicos ou documentos pessoais.

Prazo de 48h para proteção

Depois que a mulher apresenta queixa na delegacia de polícia ou à Justiça, o magistrado tem o prazo de até 48 horas para analisar a concessão de proteção. A urgência da lei corresponde à urgência dos problemas de violência contra a mulher.

O agressor não precisa ser o marido

Poucas pessoas sabem, mas a lei Maria da Penha também existe para casos que independem do parentesco. O agressor pode ser o padrasto/madrasta, sogro/sogra, cunhado/cunhada ou agregados, desde que a vítima seja mulher.

Lei terá Patrulha Rural

A secretária de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, assinou uma portaria este ano que cria a Patrulha Maria da Penha Rural, composta por policiais mulheres, para dar mais segurança às mulheres do campo.

As patrulhas serão diárias e passarão nos lugares onde há indício de violência. Também servirão para controlar se a medida protetiva determinada por um juiz está sendo eficiente.

Publicado em Noticias
Segunda, 07 Agosto 2017 12:17

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE O PARTO!

A escolha do parto pode afetar a saúde do bebê? Durante a formação do feto, os pulmões se desenvolvem em um ambiente cheio de líquidos e, até o nascimento, esse órgão não tem um funcionamento efetivo. Com o parto normal e a passagem do bebê pela pelve, que é estreita e apertada, ocorre a retirada do excesso de líquido dentro dos pulmões. Isso acontece por conta da compressão torácica e o bebê se recupera melhor, tendo menos riscos de desenvolver problemas respiratórios. Ainda assim, é importante lembrar que a escolha do parto não afeta no desenvolvimento neurológico da criança.

Como é feita a cesariana? A cesariana é um procedimento cirúrgico em que é preciso fazer uma anestesia, que pode ser a raquiana ou peridural. As duas são aplicadas nas vértebras das costas. De acordo com o ginecologista e obstetra Alberto Jorge Guimarães, como a peridural demora um pouco mais para fazer efeito e as mulheres sentem a movimentação durante a cirurgia, é mais comum o uso da raquiana. Depois disso, é feita uma sondagem, antissepsia (limpeza especial) e uma incisão por sete camadas até chegar ao bebê.

Como é feito o parto normal? O normal envolve um trabalho de parto, com contrações sentidas na hora certa. A partir disso, o médico avalia a dilatação do colo do útero, que deve chegar a 10 cm. Se o espaço for insuficiente para o bebê passar, é feito um corte cirúrgico na região perineal. Quando o colo estiver completamente dilatado e as contrações estiverem fortes, as paredes do útero farão uma pressão e, com a ajuda da mãe, impulsionarão a criança para fora.

Quanto tempo dura cada processo? No geral, a cesariana é realizada em uma hora. Já o parto normal tende a variar e pode durar até 15 horas quando feito pela primeira vez. Como é um organismo que nunca dilatou, o processo costuma ser mais lento. Normalmente, as mães de primeira viagem dilatam um centímetro por hora.

Para evitar dores, o parto normal pode ser feito com anestesia? Sim. A ideia de que a mãe precisa sofrer todas as dores do parto não é real. "Algumas mulheres fogem do parto normal por medo da dor, mas é possível dar uma anestesia e fazer com que ela continue participando do trabalho de parto", explica Guimarães. De acordo com o obstetra, se a mãe estiver sentindo dores, o médico pode aplicar a anestesia combinada, que mistura raquiana e peridural em dosagem menor, aliviando o desconforto.

Por que o parto normal é o mais indicado pelos médicos? Há uma série de motivos pelos quais o parto normal é o mais indicado por especialistas quando a gravidez não apresenta complicações. Além de evitar problemas respiratórios para o bebê, esse procedimento também traz benefícios para as mães. A quantidade de sangramento num parto normal é muito menor que a cesariana - o que diminui as chances de infecção -, e recuperação é mais rápida, o que deixa a mulher mais independente para levantar e cuidar do bebê. Também é importante lembrar que o parto normal acontece na hora certa e todo o processo tem um efeito muito interessante que mexe com o psicológico e emocional da mãe, tornando-a mais preparada para a nova fase.

É possível se preparar e estimular o parto normal durante a gravidez? Sim. As mulheres que não abrem mão do parto normal podem ajudar a saída do bebê durante o pré-natal e o parto. Para isso, há vários exercícios que proporcional um autoconhecimento da pelve, feitos com bolas de pilates ou trabalhando o pompoarismo, uma técnica oriental que consiste na contração e relaxamento dos músculos vaginais.

Quais são as reais indicações para a realização da cesariana? Apesar de os médicos estimularem o parto normal, alguns casos exigem a realização da cesariana para que os nove meses de gravidez acabem com sucesso. Por isso que não dá para ser completamente a favor de um ou de outro. É preciso que seja feita uma avaliação médica antes de indicar a cesariana, mas existem alguns casos comuns como quando bebê está sentado, descolamento de placenta ou gestações em que a criança é muito maior que a pelve da mãe.

Qual a diferença na recuperação entre parto normal e cesariana? Se o bebê nascer por parto normal, a mãe pode levantar em seguida, não há dores durante a recuperação e os pontos serão expelidos naturalmente. A cesariana, no entanto, é um procedimento cirúrgico. Com isso a mulher levanta entre 6 e 12 horas depois, os pontos devem ser retirados entre 10 e 15 dias após o parto e há dores e distensão abdominal no pós-operatório.

É verdade que a cada parto normal o trabalho de parto é mais fácil? Sim. Como no primeiro parto normal o organismo da mãe nunca foi dilatado, o processo costuma demorar mais. Por isso, os partos seguintes costumam ser mais fáceis. No caso da cesariana, o ideal é ter o intervalo de no mínimo dois anos até a realização de outra cirurgia.

Publicado em Saúde e bem-estar
Segunda, 07 Agosto 2017 11:38

CONVIVENDO COM A MENOPAUSA!

MENOPAUSA

Menopausa é o período fisiológico após a última menstruação espontânea da mulher. Nesse espaço de tempo estão sendo encerrados os ciclos menstruais e ovulatórios. O início da menopausa só pode ser considerado após um ano do último fluxo menstrual, uma vez que, durante esse intervalo, a mulher ainda pode, ocasionalmente, menstruar.

Esse tempo de transição que antecede a menopausa é chamado de climatério. Ele representa a passagem da fase reprodutiva da mulher para a não reprodutiva. O organismo deixa de produzir, de forma lenta e gradativa, os hormônios estrogênio e progesterona.

A menopausa é mais um estágio na vida da mulher. Nesse período ocorrem transformações no organismo feminino, que aumentam a possibilidade de aparecimento e agravamento de doenças.

Não há uma idade exata para a menopausa: ela varia de mulher para mulher. Em média, ocorre entre os 45 e 55 anos. Pode acontecer antes dessa fase, de forma espontânea ou cirúrgica – a chamada menopausa precoce. A menopausa cirúrgica ocorre após a retirada dos ovários ou do útero. Quando aparece após os 55 anos, é intitulada menopausa tardia.

SINTOMAS

Apesar de não haver uma data pré-estabelecida para o início do climatério (período de transição para a menopausa), algumas mudanças no corpo feminino indicam a chegada da menopausa. A intensidade ou a duração do fluxo menstrual modifica-se, tende a ficar mais espaçada, até parar.

Durante o climatério, é comum as mulheres sentirem outros sintomas físicos e comportamentais. Os principais sintomas da menopausa são:

  • Ausência da menstruação;
  • Ressecamento vaginal (secura);
  • Ondas de calor;
  • Suores noturnos;
  • Insônia;
  • Diminuição no desejo sexual;
  • Diminuição da atenção e memória;
  • Perda de massa óssea (osteoporose);
  • Aumento do risco cardiovascular;
  • Alterações na distribuição da gordura corporal;
  • Depressão.

Nessa fase, é ideal que a mulher faça consulta regulares com outros profissionais além do ginecologista habitual, especialmente com o cardiologista e, se necessário, o psicólogo. Devido à redução do metabolismo ocasionado pela idade, pode haver ganho de peso, aumento do nível do colesterol e, consequentemente, da Pressão Arterial. Para evitar esses sintomas, recomenda-se a visita ao cardiologista uma vez por ano, para que assim o profissional possa orientar exercícios físicos adequados. Em casos de baixa autoestima e depressão, o psicólogo é o profissional que dará o suporte necessário para a superação dessa fase repleta de desafios.

DIAGNÓSTICOS

Não há uma data certa para a menopausa ocorrer, no entanto há um indicativo para saber se a mulher está no climatério. O principal sintoma é a escassez da menstruação.

Ir regularmente ao médico é importante para confirmar se, de fato, a mulher entrou na menopausa. Em algumas mulheres, a menstruação vai se espaçando com um intervalo cada vez maior, até parar. Em outras, cessa de uma vez. “Só se saberá que é a última depois de um ano sem nenhum sangramento. Então se confirma que a mulher não pode mais ficar grávida”, declara o ginecologista e psicólogo Jorge José Serapião, professor do Instituto de Ginecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Se a mulher toma pílula, pondera ele, o diagnóstico é mais difícil. Serapião avisa que “a pílula cria um ciclo artificial. Em determinada idade, se surgirem contraindicações ao seu uso, pode haver a necessidade de troca por dispositivos intrauterino (DIU) ou algum método definitivo, como ligadura de trompas”, explica o ginecologista e psicólogo.

Alguns tipos de DIU com progesterona também dificultam o diagnóstico, porque suspendem artificialmente a menstruação. “Se a mulher quiser ter certeza de que está na menopausa, não existirá a necessidade de retirar o DIU. Podem ser realizadas as dosagens hormonais, como as do FSH e LH, na faixa próxima a dos 50 anos”, comenta Serapião.

EXAMES

Durante o climatério, a consulta com o ginecologista deve continuar regularmente. O ginecologista e psicólogo Jorge José Serapião, professor do Instituto de Ginecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), explica que a visita ao médico e o exame clínico nessa nova etapa continuam sendo importantes. “De modo geral, as mulheres tendem a diminuir as visitas ao médico, mas o ideal seria que a frequência de uma vez ao ano não fosse alterada.”

Para detectar o início da menopausa, o exame clínico, em certos casos, é mais preciso, assim como o exame manual das mamas em relação à mamografia. É também através dos relatos da mulher ao seu médico que é possível analisar as variações na concentração dos hormônios, como progesterona, estrogênio e FSH.

De acordo com os eventuais sintomas, o médico poderá solicitar exames complementares. Caso suspeite de anemia, o especialista poderá solicitar um hemograma. Os exames mais solicitados são a mamografia, a ultrassonografia e o papanicolau. Para ajudar na detecção precoce de doenças, o ginecologista pode pedir ultrassom transvaginal e exames de sangue.

TRATAMENTOS E CUIDADOS

O método mais eficaz de tratar a menopausa é a terapia de reposição hormonal. Ela traz de volta ao organismo os hormônios estrogênio e progesterona, de modo a amenizar e/ou reverter os sintomas da menopausa, tais como ondas de calor, depressão, ressecamento vaginal, falta de libido, entre outros.

O tratamento é realizado por meio de comprimidos, adesivos ou géis que repõem o estrogênio. Os medicamentos mais recomendados são comprimidos para consumo diário, que contêm progesterona e hormônio esteroide feminino para proteger o útero.

Outro método utilizado é o uso da pílula anticoncepcional, no qual a mulher toma por três semanas e faz um intervalo de sete dias. A grande diferença entre a “pílula” e o comprimido de terapia hormonal é a concentração de hormônios, isso porque no tratamento hormonal é usado o estrogênio natural em doses mínimas, apenas o suficiente para que a mulher se sinta bem. Já a pílula possui estrogênio sintético e seu objetivo maior é evitar a gravidez.

O tratamento hormonal pode ser realizado por meio de medicamentos com progesterona e hormônio esteroide, apenas com estrogênio, ou, em alguns casos, com hormônio masculino – a testosterona. Há também os tratamentos não hormonais que procuram amenizar os sintomas sem repor os hormônios em queda. Alguns desses tratamentos usam inibidores de receptação de serotonina, clonidina, cinarizina. Ainda há tratamento sem medicação, como acupuntura, relaxamento, etc.

O tratamento para a menopausa varia de acordo com o perfil de cada paciente. É necessário primeiramente analisar as condições físicas, como a Pressão Arterial, para então escolher o tratamento adequado para cada mulher. Os primeiros resultados da reposição hormonal aparecem, geralmente, após um mês do início do tratamento.

-

PLAMHUV - Saúde é o mais importante
(31) 3891-1800 - www.plamhuv.com.br

Publicado em Saúde e bem-estar

Mais lidas

Filtro por data

« Agosto 2017 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31